Evento: II Simpósio de Histórias em Quadrinhos

Aconteceu no último dia 14 de agosto na Pontifícia Universidade Católica do Paraná o II Simpósio de Histórias em Quadrinhos, uma parceria do Projeto HqE! e TECPUC.

Este ano o tema os convidados foram Antônio Eder e Walkir Fernandes, da Dogzilla Studio, o quadrinista José Aguiar e André Caliman, que falaram um pouco de suas experiências e suas atividades voltadas para a área de Histórias em Quadrinhos.

Além das palestras os convidados fizeram uma manhã de autógrafos para os alunos.

14190_571641059625003_4040384905346781749_n 995605_10203905652097400_6500734697217869984_n 997012_676970249056406_4527589433350282507_n 1453218_10203905735099475_6063096522144271068_n 1504098_676970362389728_7430171523572047666_n 1544459_553767224749897_1963982853956244186_n 1551668_10203905296208503_4149384260227460090_n 1920534_676969829056448_8822181055303431941_n 10013617_676970145723083_7486911340070504493_n 10368245_682621915157463_7285461472340990050_n 10392590_676970325723065_3257068865230854263_n 10402538_10203905233326931_3623524318797818335_n 10406874_553767238083229_4313054352007307164_n 10426139_884637938230243_8693252841886110871_n 10486468_676970179056413_7319473525936316821_n 10487604_682622011824120_5943812214043271192_n 10516715_682621715157483_6682194482696986534_n 10537013_884637748230262_1777097720074154935_n 10547407_884693308224706_1898295449427823511_n 10553636_884719181555452_3978380290882410879_n 10556284_682621795157475_1709332809402521818_n 10556312_884720358222001_5842758141357302790_n 10565248_682621755157479_3721228264815274793_n 10568798_676969789056452_7621753029688442289_n 10606583_10203905412411408_2580552918943440355_n 10609627_884637718230265_8625163712387067120_n 10609690_676969752389789_3499765072294967799_n 10616528_884637881563582_3677722911629706628_n 10616648_682621981824123_4002656918567882844_n 10616722_676970112389753_4581967561900793910_n

Fotos de: José Aguiar, Walkir Fernandes, Victória Bittencourt e Carol Sakura.

Anúncios

II Simpósio de Histórias em Quadrinhos: Histórias em Quadrinhos e sua representação da Sociedade

O evento, uma realização do Projeto de Histórias em Quadrinhos na Escola (HqE!), parte integrante da pesquisa de Iniciação Científica do curso de Pedagogia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR e do Colégio  Técnico Integrado ao Ensino Médio (TECPUC), ocorrerá no dia  14 de agosto de 2014, no câmpus Curitiba da PUCPR.

image002

O tema do Simpósio será “Histórias em Quadrinhos e sua representação da Sociedade”, com palestras dos quadrinistas José Aguiar, André Caliman, Antônio Eder e Walkir Fernandes.

O público alvo do evento são alunos de Ensino Médio, o Simpósio tem por objetivo relacionar a teoria com a pratica em relação aos conteúdos trabalhados em sala de aula e promovendo o contato dos alunos com profissionais da área de Histórias em Quadrinhos, Design Gráfico, Ilustração, Animação Digital e áreas afins, além de apresentar os trabalhos realizados pelos alunos durante o ano letivo.

 

 

Cérebro em quadrinhos

Narrativa fragmentada: Para Farinella (no alto) e Hana, histórias em quadrinhos, como a Neurocomic (ao lado), são o formato ideal para discutir ciência e outros temas mais complexos (Foto: Divulgação)NARRATIVA FRAGMENTADA: PARA FARINELLA (NO ALTO) E HANA, HISTÓRIAS EM QUADRINHOS, COMO A NEUROCOMIC (AO LADO), SÃO O FORMATO IDEAL PARA DISCUTIR CIÊNCIA E OUTROS TEMAS MAIS COMPLEXOS (FOTO: DIVULGAÇÃO)

 

Ambos possuem pós-doutorado na área de neurociência e são pesquisadores conceituados pelas Universidades de Londres e Yale. Mas, na sua última obra, a croata Hana Ros e o italiano Matteo Farinella trocaram a tradicional “introdução, metodologia e conclusão” dos trabalhos acadêmicos por ilustrações sobre “florestas de neurônios e castelos da ilusão”. O resultado é Neurocomic, história em quadrinhos lançada na Inglaterra no final de 2013 (ainda não está previsto lançamento no Brasil). A ideia é explicar de maneira acessível princípios básicos do funcionamento do cérebro. GALILEU conversou com os autores (ambos trabalharam no roteiro e as ilustrações são de Farinella), que falaram sobre a relação entre a formação da nossa memória e a linguagem dos quadrinhos.

P: Qual a origem do livro?
Matteo Farinella:
Eu sempre desenhei, mesmo depois que decidi trabalhar com ciência. Particularmente, gosto dos quadrinhos por serem tão acessíveis e ao mesmo tempo tão poderosos em expressar ideias complexas. Quando conheci a Hana, logo começamos a falar em um quadrinho sobre o cérebro.
Hana Ros: Eu sou fascinada por arte, mesmo sempre tendo trabalhado como neurocientista. Quando me dedicava apenas à ciência, sentia que ela não podia me satisfazer por completo. Tive sorte de conhecer o Matteo, que me apresentou a rota para esse mundo.

P: O que torna o cérebro humano um cenário típico de jornadas como a de Alice no País das Maravilhas?
MF:
O cérebro está no cerne da nossa própria existência e ainda há muita coisa sobre ele que não compreendemos. É um território não explorado onde ainda podemos ter esperança de encontrar respostas para todas as nossas dúvidas.
HR: O fato de não entendermos o funcionamento do cérebro é o que o torna o cenário ideal para aventuras de ficção.

ILUSTRADORES CLÁSSICOS DE LIVROS CIENTÍFICOS, COMO FRITZ KAHN E DA VINCI, FORAM A INSPIRAÇÃO

P: É possível vermos mais trabalhos acadêmicos apresentados como HQs num futuro próximo?
MF: Os quadrinhos viraram um meio respeitado e há uma pressão crescente para tornar pesquisas mais abertas e acessíveis. Acho que os quadrinhos podem ser o formato ideal, mas talvez não em um futuro próximo.
HR: Quadrinhos têm a vantagem de oferecer algo diferente do texto acadêmico. No entanto, não acho que eles irão, ou deverão, substituir a pesquisa acadêmica. É necessário ter ambos servindo para seus respectivos propósitos.

P: Que público tinham em mente?
MF: Talvez alguns conceitos sejam complexos para jovens leitores, mas espero que o fator estético chame a atenção deles. Já os profissionais da ciência podem apreciar o assunto visto de outra forma.
HR: Nunca pensei em quem poderia ler esse livro. Era algo que eu queria fazer para mim, como uma forma de expressar coisas que estavam na minha cabeça. Não sabíamos se iria funcionar. Era bastante experimental, então nunca presumi que um determinado público iria ler.

P: O quadrinista norte-americano Chris Ware disse que os “quadrinhos são por definição uma arte da memória”. O que vocês acham dessa afirmação?
MF: Foi ao conhecer o trabalho do Chris que entendi que HQs podiam ser usadas para falar de ciência. Não percebemos a realidade como uma sequência linear de eventos, mas como uma confusão repleta de camadas que mesclam presente, passado, futuro, memória e expectativas.
HR: A forma como os quadrinhos nos fornecem fragmentos é similar ao modo como construímos nossas memórias. É a transitoriedade e a desordem dos quadrinhos que me conectam a eles.

Fonte: Revista Galileu.