Os Ritos de Passagem dos Heróis.

Os rituais são comuns em todos os tipos de grupos, atualmente na sociedade em que vivemos não costumamos a falar sobre o assunto e quando somos indagados a isso acreditamos que esses ritos pertencem apenas a culturas “atrasadas” ou “primitivas”. Mas esquecemos de dentro do grupo “evoluído” em que vivemos estamos cercados de ritos.

Os rituais de iniciação de cada grupo são baseados em sua cultura e em suas experiências e fazem parte da educação que seus membros recebem desde o início de suas vidas, como por exemplo, na cultura espartana e grega onde os jovens eram iniciados em uma “cultura militar” desde muito cedo.

Imagem

“A luta era elemento central na educação dos meninos gregos, e a guerra era constituída tanto parte integrante da vida em sociedade, como atividade essencial para definir as subjetividades, para a formação dos indivíduos e dos elementos coletivos” MAGNOLI (p. 22).

Como podemos notar a educação e os ritos de iniciação estão interligados, o ensino antes de ser da forma em que conhecemos hoje era feito por forma oral e de imitação, os mais novos imitavam e ouviam os conselhos dos mais velhos e mais experientes, e com o tempo assumiam sua posição com suas funções e os rituais de iniciação serviam para mostrar que esses jovens estavam prontos para assumir tal responsabilidade. Como por exemplo, na história do herói mongol Gêngis Kan:

“Num dos episódios mais marcantes de sua infância, tinha cerca de 12 anos quando partiu sozinho para recuperar as poucas reses de sua família que haviam sido roubadas por um grupo de outra tribo”. MAGNOLI (p. 137).

É claro que esta forma de rito de iniciação varia de cada sociedade como diz SANTOS (p. 16): “Cada realidade cultural tem sua lógica interna…”

Imagem

Na sociedade atual, os ritos de iniciação estão por todos os lados, como o batismo, comunhão e casamento na área religiosa, a formatura a compra do primeiro carro e a saída da casa dos pais, podem ser exemplos de ritos de iniciação dos tempos modernos.

Em outros grupos os rituais de iniciação eram também importantes como em sociedades fechadas, como explica Moretti (p. 64): “Os rituais de iniciação dessas sociedades secretas antigas eram apenas “rituais de transição” para meninos na fase adolescente…”.

Nas HQs podemos ver estes rituais em 300 de Esparta de Frank Miller, quando o jovem Leônidas prova sua bravura enfrentando um lobo e passando por diversos treinamentos. Em geral nas Histórias em Quadrinhos os ritos estão presentes desde os surgimentos dos super-heróis, todos passaram por alguma “prova” para adquirir ou assumir seus poderes. Como explica Vieira (p.7) “A narrativa heróica está presente nos ritos de passagem, estando ligada a todos os momentos de transformação do indivíduo.”

Imagem

Peter Parker, após a morte de Tio Ben descobriu que “com grandes poderes vem grandes responsabilidades” e deu início a sua saga como Homem- Aranha, Clark Kent ainda em Smallville após descobrir que era uma alienígena e com seus poderes poderia salvar o mundo, tornou-se  Superman, estes são apenas alguns exemplos destra transição (criança X adolescente X Herói) que encontramos nas HQs e também na vida real.

Imagem

MAGNOLI, Demétrio. História das Guerras. São Paulo: Contexto. 2006.

MORETTI, Fernando. Sociedades Secretas. São Paulo: Escala.

SANTOS, José Luiz dos. O que é Cultura. 16 ed. São Paulo: Brasiliense. 1996.

VIEIRA, Marcos F. Mito e herói na contemporaneidade: as histórias em quadrinhos como instrumento de crítica social In: http://www.contemporanea.uerj.br/pdf/ed_08/07MARCOS.pdf. Acesso em 01 set. 2013.

Anúncios

Dica de Leitura: O Inescrito Vol 1 Tommy Taylor e a Identidade Falsa.

A HQ de Mike Carey e Peter Cross traz para a linguagem dos quadrinhos a fantasia e a literatura que fizeram sucesso com os livros de Harry Potter de J. K Rowling.

P01-09-13_15.39

É quase impossível na primeira leitura você não comparar as duas histórias, mas no decorrer das páginas verificamos de O Inescrito tem sua autonomia.

A História conta a vida de um jovem Tom Taylor, filho de um escritor de literatura fantástica Wilson Taylor que se inspirou em seu filho para criar seu personagem de maior sucesso Tommy Taylor.

P01-09-13_15.39[1]

Tom vive a fama de servir de inspiração do personagem após o desaparecimento do seu pai, tudo começa a ficar estranho quando acontecimentos que acontecem no livro começam a tornar vida e Tom começa a ser confundido com o personagem Tommy.

O interessante da HQ que utiliza vários recursos dentro da narrativa, textos literários, linguagem de internet (facebook, twitter e email), noticias de jornal, todas se entrelaçando dentro da história. (ótimo para trabalharmos gêneros textuais em sala, ok).

P01-09-13_15.39[2]

Tommy Taylor é o personagem principal de uma série de literatura fantástica que virou um fenômeno cultural. Fãs se reúnem em convenções para celebrar essa história mágica e renovar as esperanças de que seu autor desaparecido, Wilson Taylor, algum dia volte para escrever a derradeira aventura.
Wilson deixou outra herança além de Tommy: Tom Taylor, seu filho agora abandonado e que serviu como inspiração para o personagem. Venerado por ter sido a inspiração para o garoto-mago, Tom frequenta os encontros de fãs como uma lenda literária viva.
Sua história está prestes a cruzar os limiares da ficção! Estranhos paralelos mortíferos entre a vida de Tom e Tommy o arrastam para um estranho submundo literário no qual o poder de uma narrativa é tão forte quanto o de um feitiço!
Mike Carey e Peter Gross, os aclamados criadores de Lúcifer, somam forças para revelar O Inescrito, uma ousada nova série sobre o universo das palavras, as palavras do universo e a linha tênue que separa as duas coisas.

O Inescrito é uma série de Fantasia Literária, lançada sob o selo Vertigo e trazida ao Brasil pela Panini, no país atualmente já está no volume 3.

Cena HQ – Km Blues

Acontecerá no dia 04/09 no Teatro da CAIXA mais um CENA HQ,  obra escolhida desta vez é KM Blues de Daniel Esteves, Wanderson de Souza e William Gene.

O projeto Cena HQ, realizado pela Vigor Mortis em parceria com a Quadrinhofilia e com patrocínio da CAIXA, apresenta nesta quarta 4 de setembro a leitura  cênicas de histórias em quadrinhos.

Cena HQ - Km Blues

Informações:

CAIXA CULTURAL, Rua Conselheiro Laurindo 280. Informações:  (41) 2118-5111.

Ingresso: um livro de quadrinhos ou um livro não didático.

Realização da Vigor Mortis e Quadrinhofilia.

Patrocínio: CAIXA.

Folheteen – Direto ao Ponto de José Aguiar.

Todos somos Malu.

Curitiba, 22 de agosto de 2013

Conheci pessoalmente José Aguiar na última terça em um evento que organizei para meus alunos do Ensino Médio, mas isso não quer dizer que eu conhecia a Malu, sua personagem da tira Folheteen. Em sua fala José me fez voltar a pensar na minha adolescência, minhas dúvidas, problemas e minhas frustrações e parei para pensar.

Minha adolescência não foi fácil (como a de todo mundo), eu também trabalhei em um supermercado (onde muitos anos depois conheci minha esposa), pulava de emprego em emprego, as meninas não queriam saber de mim, pegava o Inter 2 todos os dias lotado e as vezes não me entendia com meus pais.

Imagem

Mas foram essas situações que me tornaram o que sou hoje, sou estudante de Pedagogia, faço e pesquiso quadrinhos.

Imagem

Quando José falou sobre sua personagem, pensei: “Que bom que meus alunos estejam ouvindo tudo isto”. Muitos deles podem estar passando por todos esses problemas, e outros que pensam que por terem uma melhor condição social podem fazer tudo. (e precisavam levar um choque de realidade).

E todo esse debate veio por causa de uma História em Quadrinhos!

Hoje eu li “Folheteen – direto ao ponto”, mas não dentro do Inter 2 lotado, mas sim em um avião a caminho da USP para apresentar meu projeto em um congresso internacional de Histórias em Quadrinhos, quando pensei comigo: “Malu, sua danada! Por sua causa, em uma semana, fui da minha adolescência complicada à realização profissional”.

Se um dia eu pudesse encontrar a Malu no supermercado ou no ponto de ônibus, lhe daria um abraço apertado e diria: “Muito obrigado, por me fazer lembrar que tudo valeu à pena!”

Marcio Garcia

Estudante de Pedagogia

Coordenador do Projeto HqE! – Histórias em Quadrinhos na Escola.

Dica de Leitura: História da Gibiteca de Curitiba

História da Gibiteca de Curitiba em livro de Key Imaguire Júnior
O livro registra o início dos quadrinhos na cidade, que aconteceu no fim do século 19.

P28-07-13_13.05[1]

Na sequência, aborda publicações curiosas ao longo do século 20, como os álbuns em alemão editados em Curitiba, além de manifestações, exposições e publicações que chegaram à revista “Casa de Tolerância”, assinada por Key Imaguire e pelo escritor e cineasta Valêncio Xavier, obra que integrou o ciclo das revistas alternativas brasileiras.

581497_500171906737142_2049196818_n

O Livro acompanha um DVD com  um documentário com a história da Gibiteca.

66482_500171910070475_1954805183_n

Dica de Leitura: Maus – A História de um Sobrevivente.

Professores de História para trabalhar a 2º Guerra Mundial e o tema do Holocausto com esta Graphic Novel com os alunos em sala. A HQ pode ser um disparador de discussões sobre a forma que o autor retrata cada etnia dentro da história. A narrativa em forma de depoimento abre um leque de possibilidades de trabalho. Por exemplo: Os alunos podem pesquisar na família ou na vizinhança alguém que teve alguma relação ou contato com o conflito e coletar depoimentos, para posteriormente expor em sala.

Maus -  A História de um Sobrevivente.
Maus – A História de um Sobrevivente.

Maus (“rato”, em alemão) é a história de Vladek Spiegelman, judeu polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art. O livro é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Foi publicado em duas partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, o livro ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de literatura.

Nos quadrinhos, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas ganham feições de gatos; poloneses não-judeus são porcos e americanos, cachorros. Esse recurso, aliado à ausência de cor dos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto.

Spiegelman, porém, evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para dar espaço a dúvidas e inquietações. É implacável com o protagonista, seu próprio pai, retratado como valoroso e destemido, mas também como sovina, racista e mesquinho. De vários pontos de vista, uma obra sem equivalente no universo dos quadrinhos e um relato histórico de valor inestimável.

Segundo Umberto ECO, “Maus é um livro que ninguém consegue largar. Quando os dois ratos falam de amor, você se emociona; quando eles sofrem, você chora.”
E digo mais…se você realmente gosta de ler quadrinhos, tem a obrigação de ler MAUS.

http://http://www.youtube.com/watch?v=SF0aQwRQVhw

Aconteceu: 2a Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos

Mais de 200 pesquisadores inscritos, presença de três gerações de estudiosos brasileiros de quadrinhos, lançamento de sete livros teóricos, novas edições de outros dois, três convidados internacionais e repercussão dentro e fora do país. Esse foi o saldo das 2as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, que terminaram na sexta-feira (23.08), na Universidade de São Paulo.

entrada do evento
entrada do evento
Prof. Waldomiro Vergueiro coordenador do Evento
Prof. Waldomiro Vergueiro coordenador do Evento
apresentação na mesa temática de Quadrinhos e Gêneros Textuais
apresentação na mesa temática de Quadrinhos e Gêneros Textuais
apresentação na mesa temática de Quadrinhos e Gêneros Textuais
apresentação na mesa temática de Quadrinhos e Gêneros Textuais
Paulo Ramos (Blog dos Quadrinhos)
Paulo Ramos (Blog dos Quadrinhos)

I Simpósio de Histórias em Quadrinhos do TECPUC

Aconteceu hoje, dia 20 de agosto, no auditório Bento Munhoz no Bloco de Mecânica, o I Simpósio de Histórias em Quadrinhos do TECPUC. O evento faz parte do Projeto HqE- Histórias em Quadrinhos na Escola, onde José Aguiar (Gibicon, Cena HQ e Quadrinista), Maristela Garcia (Coordenadora da Gibiteca de Curitiba) e Fúlvio Pacheco (Gerente do Setor Difusão e Artes de PMC e Quadrinista) dividiram suas experiências com os alunos do Ensino Médio Integrado do TECPUC.DSC00295

DSC00308

Fonte: http://www.tecpuc.com.br/noticia.php?ref=32629&id=2013-08-20_46581

Bem -vindos ao nosso site!

Olá,

Nesta página você irá nesta pagina informações relacionadas ao uso de Histórias em Quadrinhos em sala de aula.

Também teremos post com dicas de leitura, resumos, artigos e resenhas de HQs e livros relacionados com o tema.

Esta página é parte integrante do projeto HqE – Histórias em Quadrinhos na Escola, que tem o objeto inserir as Histórias em Quadrinhos como ferramenta integral de ensino.

Nossa pagina no Facebook: http://www.facebook.com/pages/Projeto-Hqe-Hist%C3%B3rias-em-Quadrinhos-na-Escola/431904703563863.

Abraços

Marcio.

 

Histórias em Quadrinhos com caráter pedagógico